Plasma de defensores arrependidos de Bolsonaro será usado em eleitores | VEJA

O uso do plasma sanguíneo de pessoas curadas do coronavírus em doentes graves vem dando bons resultados. Os anticorpos da pessoa saudável ajudam o corpo do indivíduo infectado a se livrar mais rápido do vírus.

A mesma técnica será testada em breve em pessoas que ainda apoiam o presidente Jair Bolsonaro. Como pesquisas mostram que mais de 30% da população ainda acha seu governo “bom” ou “ótimo”, o país continua longe da imunidade de rebanho. “O rebanho de gado ainda está infectado, o vírus se espalha muito rapidamente pelo contato com posts do gabinete do ódio no Whats­App”, disse um infectologista. “Esse vírus lembra muito a doença da vaca louca. A pessoa vê a realidade desabando diante dela e fica repetindo ‘E daí?’ .”

Publicado em VEJA de 6 de maio de 2020, edição nº 2685

Fonte: veja.abril.com.br/blog/sensacionalista/plasma-de-defensores-arrependidos-de-bolsonaro-sera-usado-em-eleitores

Facada: Nova testemunha depõe à PF e pede proteção – Coluna Esplanada – iG

Adélio Bispo Coluna Esplanada Adélio Bispo

Um novo personagem surgiu na investigação da Polícia Federal sobre a tentativa de assassinato do então candidato Jair Bolsonaro em Juiz de Fora (MG), dia 6 de setembro de 2018, com uma facada.

Chamado entre portas apenas de ‘Luciano Mergulhador’, para preservar sua identidade, ele disse que teve contato com Adélio Bispo, o autor do atentado, meses antes do crime em Minas. Segundo Luciano, em conversa informal com ele, Adélio revelou que conhecia o então deputado federal Jean Wyllys, que o visitava e conversava com o parlamentar.

Luciano depôs aos delegados da PF em Florianópolis anteontem. Os investigadores agora querem mais informações detalhadas sobre a eventual ligação ideológica ou política de Adélio com Wyllys – que não está na condição de investigado, apesar de citado. O ex-deputado, que entregou o mandato ao suplente, mora há mais de ano na Alemanha.

Um fato curioso: Outras três testemunhas que tiveram suposto contato com Adélio apareceram esta semana e se mostraram dispostos a depor, confirma uma fonte ligada às investigações e a Luciano.

O que consta notório até hoje é que a PF está prestes a concluir o inquérito e que não encontrou participação de terceiros no atentado, como defendem aliados de Bolsonaro. O novo depoimento ainda será analisado pelo delegado que comanda o inquérito.

Proteção

Luciano Mergulhador impetrou ontem no Ministério dos Direitos Humanos requerimento para incluí-lo no programa de proteção à testemunha. E terá, segundo fontes do Palácio.

Em outra frente do caso reaberto, há um movimento político no entorno da investigação. O senador Marcos do Val (Podemos-ES) apresentou requerimento para convidar o ex-deputado Jean Wyllys a voltar ao Brasil e depor no Senado.

Fonte: ultimosegundo.ig.com.br/colunas/esplanada/2020-04-30/facada-nova-testemunha-depoe-a-pf-e-pede-protecao.html

Oposição vai ao STF para poder sabatinar novamente Ramagem no Senado | VEJA

Os deputados Alessandro Molon (PSB-RJ) e Camilo Capiberibe (PSB-AP) e o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) protocolaram há pouco, no STF, um mandado de segurança para garantir a prerrogativa constitucional do Senado de sabatinar quem venha a ser indicado para a Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Desta forma, Alexandre Ramagem, indicado por Bolsonaro para reassumir a direção da agência, deverá ser sabatinado novamente pelo Parlamento, diante da nova nomeação.

De acordo com Molon, líder do PSB na Câmara, não houve qualquer ilegalidade no ato de exoneração de Ramagem do cargo de diretor-geral da Abin e, por isso, ao ser renomeado para o cargo, ele precisa cumprir todas as exigências legais para a posse.

A realização de sabatina para indicações para a direção da Abin está prevista na Lei 9.883, de 7 de dezembro de 1999, que institui o Sistema Brasileiro de Inteligência.

Fonte: veja.abril.com.br/blog/radar/oposicao-ao-stf-para-poder-sabatinar-novamente-ramagem-no-senado

Cerca de 2 mil testes da Covid-19 são descartados em SP – Brasil – iG

teste Agência Brasil Teste para Covid-19

SÃO PAULO – O estado de São Paulo já descartou quase 2 mil exames para o novo coronavírus por falhas na coleta, armazenamento ou identificação dos testes. Esse número representa de 7% a 8% das amostras recebidas para análise nas últimas semanas, segundo o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas.

Segundo Covas, de um universo de 24 mil exames encaminhados para diagnóstico, algo entre 1.700 e 1.900 não puderem ter resultado por não estarem em condições adequadas para análise.

-Os principais problemas são de acondicionamento. Vou dar um exemplo que aconteceu essa semana. A amostra foi coletada na sexta-feira e encaminhada na segunda-feira para nós. Ela chegou absolutamente fora das condições para ser realizado o teste. Não foi conservada de forma adequada, não estava em temperatura adequada. Isso é um dos problemas – disse Dimas.

Leia mais: Com 89% dos leitos ocupados, São Paulo encaminha pacientes para o interior

O Instituto Butantan tem sido o coordenador de uma rede de laboratórios contratados pelo governo estadual para a realização dos testes para Covid-19. Há algumas semanas a fila de exames por resultado era de 17 mil amostras. Atualmente, o governo diz que não há mais fila de espera por resultados e que a demanda diária está sendo atendida de forma imediata.

Diante das inadequações de amostras, a Secretaria Estadual de Saúde produziu três vídeos para orientar prefeituras e profissionais de saúde sobre como fazer a coleta e o acondicionamento do material. O funcionário, por exemplo, precisa estar usando todos os equipamentos de proteção individual, como luva, máscara, óculos e avental, na hora da coleta. O material coletado precisa ser armazenado em caixas com refrigeração e identificado.

Falha na identificação do paciente também foi encontrada pelos laboratórios e amostras nessa situação também são canceladas.

-Tivemos amostras contaminadas, que não foram coletadas de forma adequada. Quem coletou não tomou as medidas recomendadas e contaminou a amostra – relatou Dimas.

O diretor do Instituto Butantan disse que o governo passará a rejeitar amostras com problemas no momento do protocolo delas.

-O recebimento da amostra precisa cada vez mais ser aderente às normas. Se a amostra não chegar em condições ela não pode se analisada. Não adianta a gente receber uma amostra que sabemos que não vai produzir o resultado. Após um determinado momento dessas ações, as amostras terão que ser rejeitadas por falta de qualidade- disse.

A prefeitura de São Paulo informou em seu boletim epidemiológico divulgado na quarta-feira que teve 676 exames cancelados. O secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, nega falhas na coleta dos testes e diz que a fila de espera por resultados no início da epidemia pode ter levado a problemas na qualidade do material que foi entregue ao Instituto Adolfo Lutz. Funcionários da prefeitura relataram ter ficado até quatro horas em fila no instituto semanas atrás para conseguir entregar os exames para análise.

O estado registrou nesta quarta-feira 28.698 casos de coronavírus confirmados e 2.375 óbitos.

Fonte: ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2020-04-30/cerca-de-2-mil-testes-da-covid-19-sao-descartados-em-sp-por-falhas-na-coleta.html

AGU entrega relatório sobre estado de saúde de Bolsonaro – Política – iG

bolsonaro Agência Brasil Presidente Jair Bolsonaro

A Advocacia-Geral da União (AGU) apresentou nesta quinta-feira um relatório médico informando que o presidente Jair Bolsonaro não apresenta sintomas da Covid-19 e que os dois exames que ele realizou deram negativos. A nota enviada pela AGU que informa a entrega do documento não indica, no entanto, se o relatório tem ou não cópias dos laudos dos exames do presidente.

Leia mais: Recurso de Lula no caso triplex voltará a ser julgado na terça

O relatório enviado pela AGU é uma resposta a uma decisão da Justiça Federal de São Paulo que, na segunda-feira, deu 48 horas para que Bolsonaro divulgasse os laudos dos exames realizados por ele em março deste ano. A decisão foi dada em uma ação movida pelo jornal O Estado de S. Paulo.

“A AGU apresenta, na manifestação, relatório médico emitido em 18 de março de 2020 pela Coordenação de Saúde da Presidência da República, no qual é atestado que o presidente da República é monitorado pela respectiva equipe médica, encontrando-se assintomático, tendo, inclusive, realizado exame para detecção da Covid-19 , nos dias 12 e 17 de março, com o referido exame dando não reagente (negativo). Tendo em vista a juntada do relatório aos autos do processo, a AGU requer a extinção do processo”, diz um trecho da nota.

A reportagem do GLOBO perguntou à assessoria da AGU se o relatório entregue à Justiça Federal de São Paulo continha cópias dos laudos dos exames de Bolsonaro , mas a assessoria disse que as informações disponíveis sobre o assunto são as que foram divulgadas pela nota.

O sistema eletrônico da Justiça Federal de São Paulo indica o envio de uma petição protocolada no processo referente aos exames de Bolsonaro, mas o documento enviado pela AGU ainda não foi disponibilizado.

A polêmica em torno dos exames realizados por Bolsonaro começou logo após ele voltar de uma viagem aos Estados Unidos, durante a qual mais de 20 integrantes da sua equipe foram diagnosticados com a Covid-19. Entre os infectados estavam o chefe do Gabinente de Segurança Institucional, Augusto Heleno, e o secretário especial de Comunicação, Fábio Wajngarten .

Segundo a Presidência, Bolsonaro foi submetido a dois exames, ambos em março, e os dois deram negativo para a doença. Mesmo sendo cobrado para divulgar os exames publicamente, Bolsonaro vem se recusando a fazê-lo. Desde o início da epidemia de Covid-19 no Brasil, Bolsonaro tem minimizado os efeitos da doença e criticado governos estaduais que implementaram medidas como o distanciamento social ampliado.

Na segunda-feira, a juíza federal Ana Lucia Petri Betto, da 14ª Vara Cívil Federal de São Paulo, atendeu a um pedido feito pelo jornal O Estado de S. Paulo para que Bolsonaro apresentasse os exames. Na decisão, a juíza deu 48 horas para que os documentos fossem entregues.

Em sua decisão, a juíza disse que “agentes políticos devem esclarecer aos mandantes (o povo) as questões de relevante interesse nacional”. O prazo venceu nesta quinta-feira, porque a AGU só foi notificada da decisão na terça-feira.

Leia também: Terrorismo: em Washington, homem dispara 30 vezes contra Embaixada de Cuba

Questionado sobre o assunto nesta quinta-feira, Bolsonaro disse que irá se sentir “violentado” se tiver que apresentar os exames. “A AGU (Advocacia-Geral da União) deve ter recorrido. E se nós perdermos o recurso daí vai ser apresentado. E vou me sentir violentado. A lei vale para o presidente e mais humilde cidadão brasileiro”, afirmou o presidente.

Fonte: ultimosegundo.ig.com.br/politica/2020-04-30/apos-decisao-judicial-agu-entrega-relatorio-sobre-estado-de-saude-de-bolsonaro.html

Moro mostra a Bolsonaro que tem bala para revidar ataques | VEJA

Sergio Moro liderou a Operação Lava-Jato durante cinco anos sob intensa artilharia petista. Sabe, portanto, o que é estar na mira de forças políticas instaladas no Palácio do Planalto. Ao dar a entrevista que deu a VEJA nesta semana, o ex-ministro direcionou um forte recado ao presidente Jair Bolsonaro e a seus seguidores aloprados.

A campanha de fake news e de ataques rasteiros alimentada pelo gabinete do ódio e encampada diariamente pelo presidente da República não ficará sem resposta. “Estou dando entrevista aqui porque tenho sido sucessivamente atacado pelas redes sociais e pelo próprio presidente. Hoje mesmo, quarta, ele acabou de dar declarações, ontem deu declarações. Venho sendo atacado também por parte das pessoas que o apoiam politicamente. Tudo o que estou fazendo é responder a essas agressões, às inverdades, às tentativas de atingir minha reputação”, disse Moro na entrevista.

A entrevista a VEJA é o mais novo capítulo da guerra entre Moro e Bolsonaro. Como o Radar mostra nesta quinta, o ex-ministro já tem até lema de campanha para enfrentar Bolsonaro em 2022. Na entrevista a VEJA, o ex-ministro faz questão de dizer que não pensa em política “no momento”, mas seus amigos e familiares já começaram a colocar para rodar nas redes o lema: “Faça a coisa certa sempre”.

Bolsonaro pode continuar falando. Moro avisou que a conversa com ele será no tribunal. “As provas serão apresentadas no momento oportuno, quando a Justiça solicitar”, disse a VEJA.

Fonte: veja.abril.com.br/blog/radar/moro-mostra-a-bolsonaro-que-tem-bala-para-revidar-ataques

EUA concluem que vírus não foi fabricado ou modificado pelo homem – Mundo – iG

covid-19 Reprodução A possibilidade de o vírus ter vazado acidentalmente de um laboratório de Wuhan ainda não foi descartada

As agências de inteligência dos EUA concluíram que o novo coronavírus não foi fabricado ou modificado pelo homem. No entanto, as autoridades dizem que ainda estão examinando suas origens. 

Esta é a primeira declaração definitiva sobre o assunto das agências de inteligência dos EUA. Ela rejeita a mais extrema das teorias da conspiração sobre as origens da pandemia – que os chineses desenvolveram e liberaram o coronavírus como uma arma biológica.

Leia mais: Coronavírus: Trump diz que a China não quer a sua reeleição Mas  a possibilidade de o vírus ter vazado acidentalmente de um laboratório de Wuhan ainda não foi descartada . O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em particular, falou sobre esse cenário, instando a China a deixar especialistas externos entrarem nas instalações e levantando questões sobre a segurança do laboratório em outras partes do país.

O governo chinês diz que tais alegações são infundadas.

Reivindicações sobre as origens do vírus fazem parte de uma guerra de propaganda sobre o tratamento da China pela crise do coronavírus. Mas elas também refletem a frustração dos EUA com os chineses por não compartilharem mais dados sobre como a pandemia se desenvolveu.

Fonte: ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2020-04-30/eua-concluem-que-virus-nao-foi-fabricado-ou-modificado-pelo-homem.html

Empenho para achatar a curva foi praticamente inútil, diz Bolsonaro | VEJA

O presidente Jair Bolsonaro lamentou que “grande parte da população” esteja proibida de trabalhar, por causa do isolamento social e do fechamento do comércio em função da pandemia da Covid-19. Na noite desta quinta-feira, 30, ele voltou criticar a adoção dessas medidas e avaliou que elas não fizeram efeito na contenção da curva de contaminação.

“Eu já disse, 70% da população vai ser infectada [pelo novo coronavírus]. Pelo que parece, pelo que estamos vendo agora, todo o empenho para achatar a curva praticamente foi inútil. Agora, efeito colateral disso: desemprego. O povo quer voltar a trabalhar. Todo mundo sabe que, quanto mais jovem, menos problemas tem de ter uma consequência danosa em sendo infectado pelo vírus”, afirmou Bolsonaro durante sua live semanal, transmitida pelo Facebook.

Saiba logo no início da manhã as notícias mais importantes sobre a pandemia do coronavirus e seus desdobramentos. Inscreva-se aqui para receber a nossa newsletter

Medidas de isolamento social, como fechamento de comércio não essencial, suspensão de aulas presenciais e aglomerações, estão entres as principais ações defendidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e adotadas por autoridades sanitárias de vários países, como forma de conter o avanço da covid-19. O Brasil contabiliza mais de 85,3 mil casos oficiais notificados e quase 6 mil mortes pela novo coronavírus, segundo atualização mais recente do Ministério da Saúde.

Nomeação na PF

Durante a live, Bolsonaro voltou a defender a nomeação de Alexandre Ramagem como diretor-geral da Polícia Federal e fez um apelo para que o Supremo Tribunal Federal (STF) reveja a decisão que suspendeu a indicação e posse do delegado no cargo.

Continua após a publicidade

  • Relacionadas
  • Mais Lidas

PolíticaPolíticaSergio Moro afirma que apresentará ao STF provas contra BolsonaroBrasilBrasil‘Foi uma porrada’, diz auxiliar de Bolsonaro sobre entrevista de MoroBrasilBrasilMoro mostra a Bolsonaro que tem bala para revidar ataquesPolíticaPolítica“Novo” governo, velha política: Bolsonaro busca o Centrão na crise

  • BrasilBrasil1‘O senhor que me demita’, diz Mandetta em briga com Bolsonaro por telefoneSaúdeSaúde2Bolsonaro ameaça, mas desiste de demitir Mandetta nesta segunda-feiraBrasilBrasil3Furioso com Bolsonaro, Mandetta precisou ser acalmado por amigosBrasilBrasil4Com apoio da ala militar, Bolsonaro vai demitir Mandetta nesta semana

    “Eu faço um apelo ao ministro do STF, aos demais ministros, não é por mim, é pela vida pregressa desse homem, pelo seu passado, por tudo aquilo que ele já fez pela pátria, no combate à corrupção, no combate à criminalidade , que reveja essa situação para que ele possa assumir”, disse o presidente, depois de ler um currículo de Ramagem na transmissão.

    Na manhã de ontem (29), o ministro Alexandre de Moraes decidiu suspender o decreto de nomeação e a posse de Alexandre Ramagem no cargo. Na decisão, o ministro citou declarações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro, que ao deixar o cargo na semana passada acusou o presidente Jair Bolsonaro de tentar interferir politicamente na PF. Ramagem é próximo da família do presidente e atuou em sua segurança pessoal, após a vitória no segundo turno das eleições.

    Fonte: veja.abril.com.br/politica/empenho-para-achatar-a-curva-foi-praticamente-inutil-diz-bolsonaro

    Após Maranhão, Rio, Manaus e Fortaleza devem considerar lockdown – Brasil – iG

    rio de janeiro Guito Moreto / Agência O Globo Segundo professor, Rio, Manaus e Fortaleza podem precisar recorrer a lockdown

    Em cidades onde o sistema de saúde recebe demanda alta de pacientes infectados pela Covid-19 e com a maior parte dos leitos de UTIs ocupados, como no caso de Rio de Janeiro, Fortaleza e Manaus, talvez a melhor opção seja adotar o lockdown . O sistema diz respeito à paralisação total das atividades. Quem faz a sugestão é Mario Scheffer, professor de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).

    No estado do Maranhão, por exemplo, a medida já será adotada. Por decreto do governador Flávio Dino (PC do B), a paralisação total no estado começa na próxima semana. O Maranhão é o sexto estado com maior número de infecções no Brasil: são 2.804 casos confirmados e 409 mortes.

    Leia também: Bolsonaro diz que pode ter pegado Covid-19

    Todo estado de Fortaleza está em situação grave. Com 5.826 casos confirmados e 355 mortes, a Secretaria Estadual de Saúde já divulgou que há ocupação completa dos leitos de UTI. No Amazonas, Manaus corresponde a 64% dos 4.801 casos (número divulgado ontem, 29) e tem 96% dos leitos ocupados.

    No Rio de Janeiro , diversas pessoas doentes, além dos infectados pela Covid-19 , estão espalhadas por 85% de leitos no estado. Segundo Scheffer, o estado de São Paulo, epicentro da doença no Brasil, também deve ficar atento aos números e cogitar a necessidade de também implementar o lockdown.

    Leia também: Com saúde em colapso, SP e Rio podem ter quarentena mais rígida

    Consequências

    Apesar de ser uma medida drástica, o professor afirma que, em países que optaram por diminuir o máximo possível de atividades, o nível de redução da curva tornou possível que o sistema de saúde se salvasse do colapso. Em países como Argentina, Espanha, Índia e Itália, até as fronteiras foram fechadas.

    Leia também: Isolamento, quarentena e lockdown: a diferença dos regimes que te mantêm em casa

    “É o caminho oposto do relaxamento proposto pelo governo federal. Essa é uma estratégia extrema e só deve ser adotada em situação de colapso de hospitais públicos e privados e aceleração de casos e óbitos”, explica Scheffer. Ele diz ainda que o lockdown deve durar o mínimo de tempo possível, já que “a paralisação vai penalizar ainda mais os pobres, trabalhadores informais, as periferias, com dificuldade extrema de aderir à quarentena”.

    Para evitar que isso aconteça, é necessário que o governo federal invista em medidas que protejam social e economicamente esses grupos.

    Fonte: ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2020-04-30/apos-maranhao-rio-manaus-e-fortaleza-devem-considerar-lockdown.html